Você está aqui

Início

Retiradas de direitos e ataques são gigantes. A resposta dos trabalhadores tem de ser ainda maior!

Sintrasem
sexta-feira, Julho 28, 2017 - 16:30

Foto: Marino Mondek/ Passeata histórica da Greve dos 38 Dias

Quando o governo se interessa apenas com o lucro dos ricos, a política se volta para cortar do povo, tirando direitos e atacando toda a classe trabalhadora em nome do dinheiro. É o que vem acontecendo há algum tempo no Brasil! Apesar dos movimentos de resistência dos trabalhadores, a luta deve ser aprofundada.

O ilegítimo governo de Michel Temer (PMDB), junto com seus aliados no Congresso, quer acabar com a aposentadoria, os direitos trabalhistas, os empregos e o serviço público para manterem seus mestres - os grandes empresários - lucrando cada vez mais! As propostas colocadas pelo governo, defendidas pela grande mídia e patrocinadas pelos ricos são brutais: vamos ter que trabalhar até morrer, com 49 anos de contribuição, em condições cada vez mais precárias de trabalho, com férias reduzidas, intervalos pequenos e cada vez menos oportunidades de emprego. Pra além de tudo isso, ainda querem acabar com o serviço público, privatizando direitos básicos como Saúde e Educação para lucrarem em cima delas.

Já aprovaram a Reforma Trabalhista, a Terceirização Irrestrita e a PEC do Fim do Fundo (a que congela os investimentos públicos por 20 anos). A venda do patrimônio público, as privatizações, a destruição do serviço público e a reforma da Previdência - com o fim da Aposentadoria - são as próximas jogadas da lista de Temer e sua laia. A Reforma da Previdência está apenas à espera de uma brecha no Congresso - infestado pela elite corrupta - para ser votada e Temer já anunciou um plano de demissões incentivado em todo o funcionalismo público federal.

É necessário que a classe trabalhadora se organize para resistir! A tramitação da Reforma da Previdência foi barrada temporariamente com a greve geral de 28/4, mas é necessário ir além! É preciso unidade e organização, com greve geral sem data de término e com um horizonte muito claro: anulação das medidas que retiraram direitos e garantia de que não haverá nenhum outro ataque!

Em Florianópolis, 2017 tem sido um ano histórico na luta da classe trabalhadora: houve não só a maior greve da história dos servidores municipais, com massiva adesão, 38 dias de paralisação e vitórias conquistas - inclusive com revogação de leis que atacavam os trabalhadores -, como também a maior greve da história recente da Comcap, com 5 dias de serviços paralisados, ocupação da Câmara e avanços obtidos! As duas greves tiveram muita coisa em comum e o centro disto é a capacidade de resistência que os trabalhadores tiveram, mantendo-se firmes frente aos ataques, repressão, mentiras e vindos do prefeito Gean Loureiro (PMDB) e seus aliados na Câmara de Vereadores!

Agora é hora desta força e espírito de resistência se espalhar pelo país, em gigantescas mobilizações capazes de fazerem frente aos massivos ataques feitos pela gananciosa elite e seus representantes no Executivo, Legislativo, Judiciário e mídia! Juntos somos extremamente fortes! Classe trabalhadora unida jamais será vencida!

AGENDA

terça-feira, Outubro 24, 2017 - 18:30
Local: Auditório Rosa Luxemburgo - Sede do Sintrasem
quinta-feira, Outubro 19, 2017 - 13:00
Local: Praça Tancredo Neves
Pautas: Informes; Avaliação de conjuntura: código 04, sucateamento dos erviço público, previdência; Encaminhamentos: indicativo de greve.

quinta-feira, Outubro 19, 2017 - 07:00
Local: Auditório Rosa Luxemburgo - Sede do Sintrasem
Pauta: Informes; aprovação da pauta data-base; encaminhamento.

Acordo Coletivo PMF 2017

SINDICALIZE-SE!

Acordos coletivos de trabalho

PMF
COMCAP

Boletins Eletrônicos

Selecionar o(s) boletim(s) que você deseja assinar ou cancelar a assinatura.